Recomeço da minha formação de patrimônio

patrimônio

Eu sempre fui uma pessoa preocupada com as finanças. Sempre fui disciplinado a gastar menos do que ganhava e ao mesmo tempo atento em viver uma vida digna, mesmo que muito simples. Sempre gostei de conhecer opções de investimentos, de como construir patrimônio e de pensar numa vida futura de independência financeira.

Efetivamente, eu sempre consegui poupar, guardar dinheiro (menos do que gostaria), aplicar este dinheiro em algum investimento e vê-lo render. Sempre em renda fixa, é verdade. Nunca sai de uma poupança, título público ou um CDB.

Tropeços no percurso

Refletindo o porquê não tenho nada deste dinheiro que já poupei atualmente, me ocorrem algumas hipóteses:

A primeira e mais óbvia é que, usei este money ou como quiser, gastei! E não tem nada de errado nisto.

As demais e ao mesmo tempo complementares à primeira, são as motivações que me fizeram usar este dinheiro. Sinceramente não lembro exatamente os reais motivos, mas não está longe de: alguma emergência, imprevisto e/ou satisfação de um desejo (viagem). Mais uma vez, nada de anormal nisto.

Quer dizer, eu sabia que tinha que gastar menos do que ganhava, que tinha que poupar, que tinha que investir pra ver crescer o dinheiro, mas num curto período de tempo, usava este dinheiro. Resumindo a ópera, eu fazia a lição de casa até um certo ponto, mesmo sem me dar conta.

Maturidade e formação de patrimônio

As escolhas que fiz no passado, me trouxeram aqui hoje, na situação  que me encontro. (esta frase é da minha sábia companheira). E tem muita ou absoluta verdade nisto!

Chego a conclusão que eu não tinha a mínima maturidade, naquele momento, sequer conceitual no que realmente era formar patrimônio. Seguia muito os rumores das páginas econômicas que lia, seja impressa ou digital e simplesmente estava preocupado com o percentual de ganho, como por exemplo, “oh, vou ter no final desta aplicação 30% sobre os R$ 2k investidos, num determinado tempo”! Quanta bobagem!

Girei patrimônio (o pouco que tinha é verdade), gastei patrimônio e no fim, fiquei no zero a zero.

patrimônio

O lado positivo disto tudo, é que com o passar do tempo, mudei meus conceitos sobre formar patrimônio, sobre ter uma reserva de emergência e sobre novas opções de investimentos. Eu chamo isto de maturidade.

Objetivo principal

Quero construir um patrimônio que me dê a mim a e minha família uma “estabilidade” e “segurança” financeira no futuro; uma liberdade de escolha que hoje eu não tenho. Na verdade, é possível que exista alguém que não queira?

Sei que será um caminho longo e árduo, de muito esforço e renúncias sentidas por mim e família.

Mas é preciso começar e/ou recomeçar.

2 comentários sobre “Recomeço da minha formação de patrimônio”

    1. IC,
      Tens razão, concordo que devemos ter um equilíbrio.

      Obviamente que, para quem tem baixo rendimento o sacrifício é sempre um grande sacrifício, pois até para os itens de sobrevivência já fica difícil…. se for reservar para investimentos e ainda ter lazer, é como ter que escolher ou um ou outro, ainda que eu defenda o equilíbrio.

      Um abraço,
      @-@

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.